SIGNIFICADOS DE LUTA: UM OLHAR SOBRE A “CONQUISTA DE TERRAS” NA ZONA DA MATA DE MINAS GERAIS

Autores

  • Flávia Naves
  • Jorge Romano

Palavras-chave:

Luta pela terra, agroecologia, experiência

Resumo

Propõe-se, neste artigo refletir sobre uma experiência de acesso à terra desenvolvida na Zona da Mata mineira, desde a década de 80, por agricultores familiares, pelo Sindicato de Trabalhadores Rurais e por uma Organização Não Governamental que atuavam na região. Utilizando metodologia qualitativa, a pesquisa desenvolveu-se em três fases que permitiram reconstruir a trajetória da experiência por meio de documentos e de entrevistas realizadas com técnicos, agricultores, trabalhadores rurais e também com algumas pessoas que não participaram, mas acompanharam à distância todo o processo. Denominada de “conquista de terras”, a experiência possibilitou a agricultores e trabalhadores rurais adquirirem um pedaço de terra a partir de empréstimos feitos entre os agricultores e também por meio de um fundo rotativo (criado na década de 90) com essa finalidade. A idéia de acesso não se restringe à propriedade, mas implica no desenvolvimento de formas alternativas de produção (agroecologia), o fortalecimento da organização dos agricultores e trabalhadores rurais, a valorização do saber dos agricultores e a inserção ativa dos mesmos no mercado e na política local. A experiência envolveu diretamente, até 2006, 110 famílias que tiveram acesso a 498 ha de terras. Na “conquista de terras” a luta não é pela posse de um pedaço chão apenas, mas a busca pela invenção e consolidação de condições de vida dignas a partir da exploração da terra segundo práticas alternativas e mais autônomas de produção e organização.

Downloads

Publicado

2011-04-19

Como Citar

NAVES, F.; ROMANO, J. SIGNIFICADOS DE LUTA: UM OLHAR SOBRE A “CONQUISTA DE TERRAS” NA ZONA DA MATA DE MINAS GERAIS. Organizações Rurais & Agroindustriais, [S. l.], v. 13, n. 1, 2011. Disponível em: http://www.revista.dae.ufla.br/index.php/ora/article/view/302. Acesso em: 1 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos