CONHECIMENTO DO SUCESSOR RURAL EM NEGÓCIO FAMILIAR: CATEGORIAS E PROPRIEDADES DA LITERATURA TÉCNICA E NÃOTÉCNICA

Autores

  • Lidiane Parron Gonçalves Universidade Federal do Mato Grosso do Sul
  • Erlaine Binotto Universidade Federal da Grande Dourados

Palavras-chave:

sucessão rural, organização, negócio, agricultura familiar, investigação qualitativa

Resumo

Conhecimento pode ser considerado o ativo organizacional com maior probabilidade de gerar sucesso duradouro, sendo importante estar nas práticas gerenciais do gestor rural. O pouco preparo de um sucessor ao assumir o negócio familiar pode produzir impactos como: incertezas, tensão familiar, estagnação da propriedade e possível perda de conhecimentos acumulados. O estudo objetiva compreender como se dá a relação da sucessão rural e conhecimento. A estratégia de pesquisa é uma abordagem qualitativa a partir das codificações da literatura (técnica e não-técnica), utilizando as técnicas iniciais do método Grounded Theory, especificamente a abordagem de Strauss e Corbin (2008). O ordenamento conceitual é apresentado com a inferência de três categorias (influência de terceiros, competência e qualificação), além das respectivas propriedades. A pesquisa pode direcionar investigações futuras que tratem sobre sucessão rural e conhecimento, gera importantes  informações e insights sobre a temática e contribui na disseminação das técnicas do método. 

Biografia do Autor

Erlaine Binotto, Universidade Federal da Grande Dourados

Possui graduação em Administração pela Universidade Federal de Santa Maria, Especialização em Fundamentos Teórico Metodológicos de Ensino pela Universidade de Cruz Alta, mestrado e doutorado em Agronegócios pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e doutorado sanduiche The University of Queensland. Líder do grupo de pesquisa (CNPq): Organizações, Pessoas e Ambiente. Membro Centro de Investigação, Desenvolvimento e Inovação em Turismo (CiTUR) - polo Politécnico de Leiria - Portugal. É avaliadora de artigos em periódicos e eventos nacionais e internacionais. Coordena projetos aprovados no CNPq "ações coletivas, inovação e sucessão em propriedades rurais no Brasil e Tailândia" e na Fundect "Perfil do sucessor familiar rural no contexto da agricultura sustentável em Mato Grosso do Sul: uma análise à luz da Grounded Theory"; "Elementos do processo de construção dos perfis das mulheres que atuam na gestão do agronegócio em Mato Grosso do Sul" e "Segurança alimentar indígena: a organização em cooperativa pode atenuar a pobreza?". Atualmente é professora Associada IV na Universidade Federal da Grande Dourados - UFGD, coordenou o Programa de Pós-Graduação em Agronegócios (12/2010-01/2015) e vice-coordenadora do PROFIAP (2014-2019). Professora no PPGAgronegócios/UFGD e doutorado em Administração/UFMS. Foi vice-Presidente da SOBER nas gestões de 2015-2017; 2017-2019 e 2019-2021. Tem experiência na área de Administração e Agronegócio, com abordagens qualitativas com ênfase no aspecto humano, atuando principalmente nos seguintes temas: Perfil Profissional para o Agronegócio, Turismo Rural e Sucessão Rural (gestão do conhecimento, ações coletivas, aprendizagem, capacidade absortiva, comunidades de prática), com algumas pesquisa adotando Grounded Theory. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 2 - AE - Administração, Contabilidade e Economia.

Referências

Alavi, M., & Leidner, D. E. (2001). Review: Knowledge Management and Knowledge Management Systems: Conceptual Foundations and Research Issues. MIS Quarterly, 25(1), 107. https://doi.org/10.2307/3250961

Bardin, L. (2016). Análise de Conteúdo (1o ed). Edições 70.

Bertoni, D., & Cavicchioli, D. (2016). Farm succession, occupational choice and farm adaptation at the rural urban interface: The case of Italian horticultural farms. Land Use Policy, 57, 739–748. https://doi.org/10.1016/j.landusepol.2016.07.002

Bollinger, A. S., & Smith, R. D. (2001). Managing organizational knowledge as a strategic asset. Journal of knowledge management.

Bracci, E., & Vagnoni, E. (2011). Understanding small family business succession in a knowledge management perspective. IUP Journal of Knowledge Management, 9(1), 7.

Brandth, B., & Overrein, G. (2013). Resourcing Children in a Changing Rural Context: Fathering and Farm Succession in Two Generations of Farmers. Sociologia Ruralis, 53(1), 95–111. https://doi.org/10.1111/soru.12003

Canal Rural. (2020, fevereiro 21). Consciência, mobilidade e conectividade, as chaves para manter o jovem no campo. https://www.canalrural.com.br/ligados-e-integrados/consciencia-mobilidade-econectividade-as-chaves-para-manter-o-jovem-nocampo/

CNA Brasil. (2016, setembro 27). Confederação Da Agricultura e Pecuária Do Brasil (CNA). https://www.cnabrasil.org.br/noticias/sucess%C3%A3ofamiliar-%C3%A9-um-assunto-que-chamaa-aten%C3%A7%C3%A3o-do-produtor-dequer%C3%AAncia

Corsi, A. (2009). Family farm succession and specific knowledge in Italy. Rivista di economia agraria, 64(1– 2), 13–30.

Davenport, T. H., De Long, D. W., & Beers, M. C. (1998). Successful knowledge management projects. Sloan Management Review, 39(2), 43.

Dia Rural. (2021, março 30). Entenda o que é Sucessão Familiar e como ela se aplica ao Produtor Rural. https://controle.diarural.com.br/entenda-o-que-esucessao-familiar-e-como-ela-se-aplica-ao-produtorural/

Fleury, M. T. L., & Fleury, A. C. C. (2004). Alinhando estratégia e competências. Revista de administração de empresas, 44(1), 44–57.

Gasson, R., Crow, G., Errington, A., Hutson, J., Marsden, T., & Winter, D. M. (1988). The farm as a family business: A review. Journal of Agricultural Economics, 39(1), 1–41. https://doi.org/10.1111/j.1477-9552.1988.tb00560.x

Globo Rural (Diretor). (2015, setembro 13). https://www.youtube.com/watch?v=9ZL1VO4nAGs&t=48s

Grant, R. M. (1996). Toward a knowledge-based theory of the firm: Knowledge-based Theory of the Firm. Strategic Management Journal, 17(S2), 109–122. https://doi.org/10.1002/smj.4250171110

Grubbström, A., Stenbacka, S., & Joosse, S. (2014). Balancing family traditions and business: Gendered strategies for achieving future resilience among agricultural students. Journal of Rural Studies, 35, 152–161.

Handler, W. C. (1994). Succession in family business: A review of the research. Family business review, 7(2), 133–157.

Howorth, C., Westhead, P., & Wright, M. (2004). Buyouts, information asymmetry and the family management dyad. Journal of Business Venturing, 19(4), 509–534. https://doi.org/10.1016/j.jbusvent.2003.04.002

Inwood, S. M., & Sharp, J. S. (2012). Farm persistence and adaptation at the rural–urban interface: Succession and farm adjustment. Journal of Rural Studies, 28(1), 107–117. https://doi.org/10.1016/j.jrurstud.2011.07.005

Joosse, S., & Grubbström, A. (2017). Continuity in farming-Not just family business. Journal of Rural Studies, 50, 198–208.

Leonard, B., Kinsella, A., O’Donoghue, C., Farrell, M., & Mahon, M. (2017). Policy drivers of farm succession and inheritance. Land use policy, 61, 147–159.

Lobley, M. (2010). Succession in the family farm business. Journal of Farm Management, 13(12), 839–851.

Lobley, M., Baker, J. R., & Whitehead, I. (2010). Farm succession and retirement: Some international comparisons. Journal of Agriculture, Food Systems, and Community Development, 1(1), 49–64.

Matte, A., & Machado, J. A. D. (2016). Tomada de decisão e a sucessão na agricultura familiar no sul do Brasil. Revista de Estudos Sociais, 18(37), 130–151.

Nonaka, I. (1994). A Dynamic Theory of Organizational Knowledge Creation. Organization Science, 5(1), 14–37.

Polanyi, M. (1966). The Tacit Dimension. Doubleday.

Potter, C., & Lobley, M. (1992). Ageing and succession on family farms: The impact on decision-making and land use. Sociologia ruralis, 32(2–3), 317–334.

Razzak, M. R., & Jassem, S. (2019). Socioemotional wealth and performance in private family firms: The mediation effect of family commitment. Journal of Family Business Management.

Rowley, J. (1999). What is knowledge management? Library management.

Russell, T., Breen, J., Gorman, M., & Heanue, K. (2020). Advisors perceptions of their role in supporting farm succession and inheritance. The Journal of Agricultural Education and Extension, 1–12.

Sebrae. (2017, junho 27). Portal de Atendimento SEBRAE/SC. https://atendimento.sebrae-sc.com.br/blog/empresas-familiares-meio-rural/

Smith, E. A. (2001). The role of tacit and explicit knowledge in the workplace. Journal of knowledge Management.

Strauss, A., & Corbin, J. (2008). Pesquisa qualitativa: Técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada (2o ed). Bookman Editora.

Thornberg, R. (2012). Informed Grounded Theory. Scandinavian Journal of Educational Research, 56(3), 243–259. https://doi.org/10.1080/00313831.2011.581686

Wheeler, S., Bjornlund, H., Zuo, A., & Edwards, J. (2012). Handing down the farm? The increasing uncertainty of irrigated farm succession in Australia. Journal of rural studies, 28(3), 266–275.

Więcek-Janka, E., Majchrzak, J., Wyrwicka, M., & Weber, G. W. (2021). Application of grey clusters in the development of a Synthetic Model of the goals of Polish family enterprises’ successors. Grey systems: theory and application, 11(1), 63–79.

Downloads

Publicado

2024-07-03

Como Citar

GONÇALVES, L. P.; BINOTTO, E. CONHECIMENTO DO SUCESSOR RURAL EM NEGÓCIO FAMILIAR: CATEGORIAS E PROPRIEDADES DA LITERATURA TÉCNICA E NÃOTÉCNICA. Organizações Rurais & Agroindustriais, [S. l.], v. 26, p. e2049, 2024. Disponível em: https://www.revista.dae.ufla.br/index.php/ora/article/view/2049. Acesso em: 18 jul. 2024.

Edição

Seção

Agricultura familiar, políticas públicas e desenvolvimento